Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
 

Postado em: novembro 4th, 2010 Espetáculos de repertório

ESPETÁCULO  “Tempo de Espera” de Aldo Leite

O espetáculo Tempo de Espera montado pelo grupo Tema – Teatro experimental do Maranhão, com texto e direção de Aldo Leite, teve sua única montagem estreada em 1975, cumprindo uma brilhante temporada em três anos de grande sucesso de público e principalmente de crítica, revolucionando o teatro naquela década, visto como uma experimentação jamais feita por nenhum grupo. Arrematou prêmios como Mambembe e Moliere; viajou por quase todo o país, se apresentando também na França, Holanda, Alemanha, Portugal e Espanha, onde a linguagem sem fala (muda) característica do espetáculo, facilitava a comunicação universal. Desde então nenhum grupo se propôs encarar esse desafio, quebrar o jejum de 30 anos de “Tempo de Espera”, não poderia ser mais perfeito quando falamos de 40 anos do Grupo Teatro Novo, uma espera no mínimo redonda.

Sinopse

“Resignados à condição sub humana dentro de uma espera no estado de semi-inanição…” Este é o retrato de uma vida sem nenhuma perspectiva otimista, um flagrante do cotidiano de uma pequena família de qualquer região menos favorecida, um pai acometido de tuberculose à espera de um eterno repouso, uma mãe preste a dar a luz a um filho natimorto, uma parteira que conduz o seu ofício como um vício do tempo, a filha sonhadora à espera de uma carona rumo a fantasiosa vida da prostituição, o filho confinado à espera de melhores dias no marasmo de uma vida vazia de propósitos. Suas angustias partem desse contexto de adversidades gerando uma ampla e profunda dor do ser. Uma família, cuja vida é constituída de um diálogo mudo e de uma solidão surda que podem fazer parte do universo de qualquer pessoa em qualquer lugar do mundo.

Currículo do Espetáculo

Montagem de 2005 o espetáculo estreiou no Galpão das Artes no entorno do Centro Cultural Dragrão do Mar de Arte e Cultura, permanecendo em temporada durante os meses de setembro e outubro. Participou do festival Palco Giratório em Fortaleza. Em 2006 participou do III Festival de Teatro de Fortaleza na mostra oficial de grupos profissionais.  E realizou temporada na sala de teatro Nadir Sabóia do Teatro José de Alencar. Agraciado com o prêmio de Circulação pela Secretaria de Cultura do Estado do Ceará através do III Edital de Incentivo as Artes realizou espetáculos no Festival de Nordestino de Teatro de Guaramiranga, em Guaraciaba do Norte, Eusébio e Sobral.

Ficha Técnica

Texto: Aldo Leite / Direção: Sidney Malveira / Ass. de direção:  Dryca Lima / Elenco: Antônio Formiga, Katiana Monteiro, Leuda Bandeira, Mikaelly Damasceno e Tomaz de Aquino

ESPETÁCULO “As Bestas” de Williams Sant’ana

Dentro da filosofia do Estatuto do Idoso, nada mais edificante para a organização comprometida com a responsabilidade social, do que proporcionar a pessoa idosa um campo para o lazer e o trabalho, vez que a fome da cultura, também, precisa ser saciada, sendo necessário gerar condições para que ela possa sentir-se dentro do processo de seu crescimento pessoal e da sociedade na qual está inserida. Acreditando no potencial da Terceira Idade, o grupo Teatro Novo em 2003, parte para o trabalho consciente de que este é um projeto onde está em principal foco, o respeito, a valorização, a dignidade e a inclusão dessas duas atrizes no mercado de trabalho. Com isso monta o espetáculo As Bestas de Williams Sant’ana, sob a direção do jovem diretor Sidney Malveira.

Sinopse

Espetáculo este montado com duas atrizes da terceira idade Mazé Figueiredo e Leuda Bandeira interpretando as amigas Alcina e Laura respectivamente. Estas são duas amigas que há quarenta anos se encontram sempre as quartas-feiras, para tomar o chá da tarde onde o humor está sempre presente em seus assuntos mais cotidianos. Numa dessas tardes tradicionais entre as amigas, um passado não revelado vem à tona, uma traição, mostrando a quebra de valores compartimentais e a pequenez humana. Abrindo espaço, também, para a reconstrução de uma amizade que por um momento é desfeita. Esse é um dos grandes lances da vida humana, o poder recomeçar. Tudo isso transcorre numa linguagem simples e objetiva, que dá ao espectador a oportunidade de caminhar junto com as atrizes pela trilha maravilhosa desse espetáculo. Ninguém conhece ninguém, e as pessoas são sempre capazes de ações inesperadas. Mas é assim que funciona o mundo!

Currículo do Espetáculo

As Bestas, estreou em 2003 no Teatro SESC Emiliano Queiroz em Fortaleza e permaneceu em temporada nos meses de julho/agosto. Realizou ainda apresentações no Centro Cultural OBOÉ e Centro Cultural Banco do Nordeste compondo a programação do projeto Ato Compacto. Em 2004 dá continuidade as apresentações no palco principal do Theatro  José de  Alencar no projeto Ceará em Cena. O espetáculo ainda fez parte da programação de aniversário dos 100 anos do Teatro Maranhão, na cidade de Natal – RN. Realizou em 2005 apresentação no Teatro Lauro Monte Filho, em Mossoró e através de projeto patrocinado pelo Banco do Nordeste foi realizado um circuito de apresentações pelo interior do Estado do Ceará onde em 05 cidades foram beneficiadas com a apresentação gratuita do espetáculo: Aquiraz, Horizonte,  Maranguape, Limoeiro do Norte e Sobral. Em 2008 foi convidado a realizar apresentação na abertura da VII Amostra de Teatro de Estudantes Marcelo Costa.

Ficha Técnica

Texto de Williams Sant’ana / Direção de Sidney Malveira / Elenco – Leuda Bandeira e Mazé Figueiredo / Operador de Luz – Dryca Lima / Operador de Som – Rafael Abreu

ESPETÁCULO  “Coisas – Palavras e Canções” de Ary Sherlock

Em 2009 o Grupo Teatro Novo realiza mais uma grande montagem homenageando um importante veterano do teatro cearense que em seus 77 anos de vida e 53 de carreira artística, acredita na transformação do Homem por meio do Teatro. “Coisas” Palavras e Canções, protagonizado pelo ator veterano Ary Sherlock mescla poema, música e histórias vividas por ele reunindo de forma poética muitos fatos e coisas.

Sinopse

Com poemas de sua própria autoria e alguns adaptados, Ary Sherlock faz o espectador viajar por entre lugares e sentimentos cotidianos e esquecidos em lugares e tempos passados, fazendo deste espetáculo uma obra artística repleta de fatos e coisas: coisas do sertão, coisas da cidade, coisas do cangaço, coisas de Francisco (São Francisco), coisas do verso e reverso, coisas do riso, coisas da lembrança, e muitas outras coisas e coisas e coisas, o espetáculo leva ao público, por intermédio, da palavra, da música e do gestual, a noção do espetáculo teatral nas áreas do entretenimento e da cultura. Mostrando fatos e personagens que possam definir a Arte do Nordeste, dentro da musicalidade e expressionismo da palavra falada e cantada.

Currículo do Espetáculo

Em 2008 estreou no Teatro SESC SENAC Iracema onde também realizou temporada no mês de setembro, seguiu temporada no Teatro Dragão do Mar no mês de outubro e seguiu em novembro no Teatro Bom Jardim (Dragãozinho) no mês de novembro. Participou da X Mostra SESC Cariri de Cultura. Em 2009 participou do Palco Giratório, integrou a programação do projeto Ato Compacto e realizou apresentação pelo Centro Cultural BNB em Sousa – PB.

Ficha Técnica

Poemas Originais/Adaptação e Interpretação – Ary Sherlock / Supervisão – Sidney Malveira / Músicos – Eduardo Holanda (Violão), Flávio Sherlock (Voz e Sax), Rodrigo dos Santos  e Maurício Rodrigues (Percussão) / Operador de Luz – Dryca Lima / Contra-Regra – Rafael Abreu

ESPETÁCULO  “Eu Ando, Tu Andas, Eles… Observam.” de Dryca Lima

Agraciado com os prêmios Funarte Petrobras de Fomento à Dança na Categoria Montagem (2005), IV Edital de Incentivo as Artes da Secult-CE na Categroria Circulação pelo interior do Estado (2007) e no II Edital das Artes da Funcet na Categoria Circulação (2008), “Eu Ando, Tu Andas, Eles… Observam.” de Dryca Lima, é resultado da pesquisa realizada em seis cidades (interior e capital) do Ceará e de São Paulo que originou o texto/roteiro, fruto de recortes dos depoimentos de tantas Marias, Pirritas, Josés, Oswaldos, Jenuárias, Gilbertos, e tantos outros transeuntes e observadores de olhares astutos que contam suas histórias e recriam muitas outras.

Sinopse

Este espetáculo é o produto da fusão de duas artes milenares, a dança e o teatro, que se reencontram pra dar poesia aos movimentos cotidianos quase esquecidos por alguns e motivo de risos ou admiração de outros. Aqui brincamos, interpretamos e dançamos “Andares”. Reapresentamos recortes de cenas de nossas vidas, possibilitando-nos percebê-las e refletir porque as mesmas passam despercebidas e até que ponto estamos nos “maquinizando” e permitindo nos transformar em simples reprodutores de ações e gestos vazios.

Currículo do Espetáculo

Em 2005 foi agraciada com o Prêmio Funarte Petrobras de Fomento à Dança na categoria Montagem;  2006 – Pesquisa, Montagem de espetáculo Estréia no Theatro José de Alencar para convidados; Temporada no Teatro SESC Emiliano Queiroz, gratuito nas quartas e sextas-feiras para alunos de Escolas Públicas e nas terças-feiras com ingressos de formação de platéia; Participação na VIII Mostra SESC Cariri de Cultura na programação do “Em Cena Ceará” nas cidades do Crato e Juazeiro; 2007 – Remontagem do espetáculo; Participação no V Festival de Teatro de Fortaleza; Prêmio de Circulação na área da Dança no IV Edital de Incentivo as Artes – SECULT-CE; Selecionado para programação do Palco Giratório em Fortaleza no SESC Iracema; 2008 – Festival de Artes Cênicas do Centro Cultural BNB; Prêmio de Circulação pelos Bairros na categoria Teatro no Edital da FUNCET; Premiado pelo projeto “Quinta com Dança” do Dragão do Mar de Arte e Cultura; Temporada no projeto “Sexta de Dança” no Centro Cultural Bom Jardim (Dragãozinho); Início de circulação com apresentações em Sobral, Eusébio e Guaraciaba do Norte no interior do Ceará; 2009 – Encontro Estadual de Fisioterapeutas – Centro de Convenções; Realização de Circulação pelos Bairros de Fortaleza; Programa Ato Compacto do Centro Cultural Banco do Nordeste; Apresentação na Edisca e participação do IV Festival Aldeia SESC Povos da Floresta em Macapá (AP).

Ficha Técnica

Texto/Roteiro – Depoimentos de Pesquisa / Intérprete/Criadora – Dryca Lima / Supervisão de Ricardo Guilherme / Operador de Luz – Rafael Abreu / Operador de Som e Vídeo – Sidney Malveira

ESPETÁCULO  “Anônimos” de Sidney Malveira

Nossos idosos são sábios que habitam corpos frágeis. Talvez por isso não enxergamos tal preciosidade e facilmente nos desvencilhamos deles, da mesma forma que nos livramos de objetos usados,  aparentemente sem utilidade. Fundamentado na premissa acima e na necessidade de profundas mudanças socioculturais, em 2006 o ator/diretor Sidney Malveira realiza, em comemoração aos seus dez anos de carreira, a montagem do espetáculo solo “Anônimos”. Agraciado com os prêmios Funarte de Teatro Myriam Muniz com patrocínio da Petrobras, na Categoria Pesquisa-Montagem (2006), I Edital das Artes da Funcet na Categoria Circulação e Prêmio Balaio de Fortaleza – Destaque 2006 na Categoria Melhor Ator, é fruto da pesquisa in loco realizada no Lar de Idosos Torres de Melo em Fortaleza.

Sinopse

O espetáculo proporciona a troca de experiências e a conscientização do espectador no cuidado com nossos idosos. O ator percorre as vias da comédia e drama para “reviver” cenas do cotidiano de três idosos, fazendo do espectador coadjuvante, como num “bate-papo” descontraído. A peça mostra um dia como outro qualquer num lar de idosos, onde os moradores esperam ansiosamente pela visita de seus familiares, parentes, amigos ou de qualquer pessoa que se disponibilize a ouvir suas histórias, suas alegrias, tristezas e sonhos que se renovam a cada amanhecer. A ação propõe um intercâmbio entre as faixas etárias e a reflexão da condição humana de cada um, independentemente do fator tempo.

Currículo do Espetáculo

Em 2006 foi agraciado com o Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz com patrocínio da Petrobras, na Categoria Pesquisa-Montagem; Estréia no Theatro José de Alencar (para convidados); Temporada no Teatro Dragão do Mar de Arte  e  Cultura (projeto de formação de platéia);  Apresentação no Teatro São João em Sobral; Apresentação no Teatro Emiliano Queiroz (especial para idosos do Lar Torres de Melo); Participação no Festival de Teatro Nordestino de Guaramiranga (convidado); 2007 – Participação na VIII Mostra SESC  Cariri de Cultura (Crato e Juazeiro).Participação no II Festival Nacional de Monólogos em Fortaleza  (convidado); Participação no Festival Aldeia SESC Povos da Floresta em Macapá – AP; Participação no XXXII Festival de Inverno de Campina Grande – PA (convidado); Tempora no “Ato Compacto”, no  Centro Cultural Banco do Nordeste (por meio de edital); Prêmio no I Edital das Artes da Fundação de Cultura de Fortaleza, na Categoria Circulação; Prêmio Balaio de Fortaleza – Destaque 2006 na Categoria Melhor Ator; Participação na programação especial do Centro Cultural Banco do Nordeste do Dia do Idoso; Participação  no XXIV  Festival Internacional de Teatro  Construção em Portugal (convidado). 2008 – Participação no projeto “Abracadabra” do Theatro José de Alencar; Projeto “Ato Compacto” Centro Cultural BNB de Juazeiro; Temporada no Centro Cultural Bom Jardim; Convidado para encerramento do Festival ACONTECE, sendo ainda o Grupo Teatro Novo homenageado com o Troféu Joca Andrade. 2009 – Apresentou espetáculo no Circuito Palco Giratório – Fortaleza na Sala Boticário do Centro Cultural SESC Luís Severiano Ribeiro.

Ficha Técnica

Texto – Depoimentos de Pesquisa / Direção e Atuação – Sidney Malveira / Supervisão de Ricardo Guilherme / Assistência de Direção e Operação de Som – Dryca Lima Operador de Luz – Rafael Abreu / Operação de Vídeo – Leuda Bandeira